Há quem goste delas curtas, há quem as aprecie mais longas, mas para nós o tamanho não importa, uma história merece sempre ser contada.

sexta-feira, 27 de março de 2009

Um Estranho Caso de Amor - Uma Certeza

Enquanto punham Rodrigo na ambulância, Helena pensava que não podia perdê-lo. Recordou tudo, desde o momento em que o viu pela primeira vez, até ao dia em que fizeram amor dentro do velho chaço dela ao som de Brian Adams. Recordou aquele momento que antecedeu o primeiro beijo, a sensação de plenitude quando ele disse que a amava e como aquela palavra assumiu uma importância desmesurada. Helena recordou a primeira casa deles de uma divisão, o cão que ele lhe tinha dado, a forma carinhosa como a tinha consolado quando Aramis (o cão) tinha sido atropelado. Ela recordou a voz, o cheiro, o toque daquele homem agora tão diferente. Recordou o calor deixado na cama quando ele se levantava de manhã, o café que ele preparava sempre e que povoava as manhãs deles, recordou o sorriso que Rodrigo tinha apenas na sua direcção, recordou o olhar escuro e fundo, as mãos entrelaçadas nas dela. Há dez anos que se construíam e reconstruíam, se reconquistavam, se davam um ao outro. Dez anos de altos e baixos mas cheios de amor e sentiu-se desmaiar perante a perspectiva de o perder.
Reviu tudo em poucos segundos, mas com uma precisão estonteante.
Quando entrou na ambulância segurou na mão do seu marido ainda inconsciente e sentiu bem dentro de si que seriam sempre um do outro.

3 comentários:

Miguel C. disse...

EI!! Este episódio era para ser meu!!
Já um homem não se pode atrasar...

;)

Ana C. disse...

Miguel como pudeste ver não adiantei nada na história, porque AINDA ESTOU À TUA ESPERA :) vá, toca a mexer!

Miguel C. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.