Há quem goste delas curtas, há quem as aprecie mais longas, mas para nós o tamanho não importa, uma história merece sempre ser contada.

terça-feira, 24 de março de 2009

Um Estranho Caso de Amor - Culpa

Rodrigo senta-se na cama. Sente-se confuso porque dois sentimentos antagónicos o consomem. Por um lado, está farto da vida que leva com Helena mas por outro sente que não consegue viver sem ela. Despe-se mas, em vez de ir para o chuveiro deita-se na cama. Sabia que Helena odiava que ele se deitasse na cama suado mas fazia-o para, de alguma forma a castigar. Ela nunca tinha saído assim de casa.
Ouviu o barulho da porta a fechar, devagar, como se não se quisesse anunciar. "Helena... desculpa-me, não sei o que me deu. Ultimamente sinto-me como se fosse outro, como se não conseguisse controlar as minhas emoções." Mas quem entrou no quarto foi Diana. Parecia flutuar, tal a leveza dos seus passos. "Olha, olha... estás completamente nú!" disse num tom entre o trocista e o malicioso "Poupamos tempo." Encaminhou-se para ele enquanto desapertava o fecho lateral do seu vestidinho vermelho. Apesar deste não deixar margem para grandes dúvidas, tal o seu diminuto tamanho, Rodrigo ficou siderado com o corpo daquela mulher. Era ainda melhor do que ela deixava adivinhar. "O que fazes aqui Diana? Como conseguiste entrar? Vai-te, por favor... já te disse que não quero nada contigo!!"
"Ora, ora Rodrigo... nunca nenhum homem me rejeitou e tu não serás, concerteza o primeiro. Além disso posso muito ver muito bem o... tamanho da tua vontade... para que eu me vá embora!!" Riu e montou-se em cima de Rodrigo. Este estava perfeitamente em pânico. Mais uma vez o seu corpo parecia ter vontade própria. Sentia-se como se de um voiyeur se tratasse. Observava aquela erecção que não queria ter, os arrepios de prazer que sentia pelo simples contacto com a pele de Diana, mas isso causava-lhe repúdio. Estaria a sonhar outra vez? Já a tinha recusado antes, o que o impedia agora? A discussão com Helena? Quando Diana o colocou dentro dela compreendeu que era real. Bem real.
As suas mãos percorreram aquele corpo de pele sedosa. Detiveram-se nos seus seios, redondos e firmes, com os mamilos erectos. Ela arqueou o corpo com aquele toque e puxou-o ainda mais para o fundo de seu corpo. Nesta altura Rodrigo capitulou. Colocou a mãos nos seus quadris e ergeu o seu tronco firme e torneado pelo exercício físico, beijou avidamente o pescoço de Diana enquanto determinou o ritmo a que os seus corpos se encaixavam. Diana gemeu, Rodrigo explodiu de prazer. Diana mordia o su próprio lábio enquanto lhe cravava as unhas no fundo das costas. Diana levantou-se, sorria naquele seu característico tom trocista e triunfante "Vês? Não foi assim tão mau, pois não?". Vestiu-se e saiu sem mais palavras, apenas aquele olhar de lúxuria a bailar livre.
Helena despediu-se de António. "Obrigado António, foste um querido e ajudaste-me muito! E, na verdade tens razão. Não posso decidir o que fazer com esta gravidez sem antes falar com Rodrigo. Afinal é o filho dele."
"Continuas a amá-lo Helena?"
"Sim António. Amo-o. E não vou desistir assim da nossa felicidade. Lutarei até que não seja mais possível para nós ficarmos juntos. Ou até que Rodrigo me diga para sair da sua vida..." o seu olhar endureceu.
"Obrigado pela companhia António, e pelos conselhos!" despediu-se enquanto o beijava na face.
"Ora Helena... posso... podemos voltar a encontrar-nos, quer dizer... beber um café ou assim?"
"Claro! Falaremos dos velhos tempos."
Helena entrou no quarto e viu Rodrigo de olhar fixo, vazio. Reparou que estava suado mas não ligou. Estava decidida a não discutir com ele. Saltou para a cama e, com o seu sorriso mais belo e sincero disse: "Amo-te muito Rodrigo! Estou grávida!" Rodrigo não foi capaz de conter as lágrimas. Helena abraçou-o irradiando felicidade. Mas as lágrimas de Rodrigo eram causadas pela culpa do que acabara de fazer. A notícia foi demasiado violenta. Rodrigo chorava de culpa e remorso e pensava "A Helena nunca pode saber..."

14 comentários:

Ana C. disse...

Vai avisar a banita que tem a sua cena de sexo finalmente escrita :)
O sentimento de culpa de um homem não é fácil, ainda para mais quando Helena chega toda feliz e querida. Feliz porquê? Querida porquê, quando devia ter dado com uma panela na tola de Rodrigo?!!! Foi a influência pacífica de António claro.
A Diana é um demónio.

Kitty disse...

Já cá estou :)
Escrevam que eu leio com enorme prazer :)

Ana C. disse...

Kitty que bela surprise. Só tens que começar a ler do fim, vá não percas tempo!
Andavas-te a queixar que não tinhas livros, agora tens aqui material para te entreteres :)

Miguel C. disse...

Ana, a cena não está nada de especial... está curta e pouco... gráfica, digamos!!!
Quanto à Diana... sim, é o Demo personificado podemos dizê-lo! Sinto aí uma tendência para a aproximação de Helena a António?
A seguir no seu blog noveleiro de eleição...

Miguel C. disse...

Kitty, lê e comenta... é que eu não faço ideia onde a história vai acabar e dava-me jeito umas dicas!!!

banita disse...

Pronto, pronto já li a sessão de sexo furioso entre este dois! E gostei claro. Para continuares a história parece-me que tens de decidir se o Rodrigo quer a Helena e o bebé ou quer a Diana e o seu corpo. E se desse um twist na história e a Helena é que for a intrusa irreal? Ou um relacionamento entre a Diana e o António só para baralhar (ainda mais)? Seguido de um double date?
Já estou a delirar... LOL

banita disse...

*desses

L. disse...

Ok... Fiquei viciada neste blog. Quando é que há o seguimento da história? Ou mesmo uma nova? Quero mais... mais... mais :D

PS - ai a treta de comentários com verificação de palavras :S estava em baixo e não conseguia comentar!!! Será possivel mudar?

Obrigado :D

Miguel C. disse...

L. espero que fiques bem viciada!! A história de Rodrigo seguirá...
Quanto aos comentários... isso é do departamento da Ana!!! LOL

Ana C. disse...

L obrigada por teres ficado viciada. É um vício que nos dá muito gosto.
Vou pesquisar a treta da verificação de comentários. Confesso que também odeio ter que escrever aquelas palavras sem sentido. às vezes estou horas para conseguir :)

Carla disse...

Xiii, que isto está a aquecer.
Mas que Diana é esta que invade assim a vida dos dois, com direito a chave do apartamento ?
Livra, que isto só pode ser pesadelo :)

PS-Gosto muito de vos ler. Nos meus intervalos cá estarei :)

Ana C. disse...

Carla e nós cá estaremos :) Obrigada!

L. disse...

Ana obrigado pelo seu comentário no meu blog :$ fiquei mesmo surpreendida por uma pessoa conhecida ter comentado o meu cantinho :$ ainda não li o seu blog todo (sim, eu quando gosto, leio de fio a pavio - tal como fiz com o do Miguel) mas vou la chegar :$

Quanto à verificação das palavras, não sei se já viu, mas está na parte da moderação dos comentários, é só tirar de lá o visto :$ e agora, vou ler o proximo capitulo antes de voltar ao trabalhinho.

Beijinhos pos dois :P

Ah... Miguel... Quanto a não ter seguidores no seu blog, que tal adicionar a caixinha para podermos ser seguidores? :$

Ana C. disse...

L uma pessoa conhecida eu??????!!!! Agora fizeste-me rir. Sou apenas tua companheira de blogosfera. Acho que já consegui tirar a verificação de letras.
Bjs e obrigada pelas tuas palavras