Há quem goste delas curtas, há quem as aprecie mais longas, mas para nós o tamanho não importa, uma história merece sempre ser contada.

sábado, 21 de março de 2009

Um Estranho Caso de Amor - Luxúria

Helena acordou com o suave odor a café que se espalhava lentamente pela casa e lhe invadia as narinas. Levantou-se energicamente e embrulhou-se no lençol. Encontrou Rodrigo sentado na banca da cozinha, um hábito que ela não gostava mas enfim, sabia que ele só o fazia quando estava com a mente ocupada.
-"Bom dia meu lindo! Sabes como fico contente quando te levantas antes de mim e te encontro já limpinho e cheiroso. E este café... hmmmm, fico acordada só com o seu odor!" disse enquanto caminhava lentamente, deixando cair o lençol e olhando-o maliciosamente. Helena era uma mulher bonita, sem dúvida. Mas a sua beleza era terna e serena. Uma morena de olhos castanhos profundos, não muito alta mas de curvas generosas. Séria no trabalho, competente, defensora da igualdade entre géneros pelo que abominava as suas colegas que faziam uso dos seus atributos de mulher para ascender na hierarquia dominada pelos machos. Mas isso era no trabalho. Na privacidade do lar sabia entregar-se plenamente, era atenta aos pormenores e tentava sempre que a sua relação com Rodrigo fosse sexualmente aliciante. Para ambos.
-"Desculpa Helena... tive um sonho estúpido... ou dois, não sei bem. Estou cansado e tenho de ir para o escritório." Beijou-a nos lábios e saiu.
Enquanto conduzia não conseguia tirar Diana do pensamento. Como é que ela tinha entrado em casa, no duche? Com Helena logo ali. Lembrava-se da situação como de um sonho se tratasse mas ainda sentia o toque firme dos seus seios nas costas e o seu beijo lascivo. "Sempre soube que eras uma cabra. Tens o desejo a bailar-te no olhar" pensou enquanto se esforçava para se concentrar na face doce de Helena, afinal a mulher que ele amava, com quem tinha assumido um compromisso, que lhe dava tudo, na vida e na cama, que o fazia sentir no centro do mundo. Estranhava esta sensação de ter de se esforçar para pensar em Helena... era a primeira vez que o fazia desde que estavam juntos. Estava constantemente a ser interrompido pelo riso trocista e mavioso de Diana enquanto dizia "Vim para salvar o teu casamento. Aceita."
Ao entrar no seu gabinete encontra Diana sentada na sua secretária. Não consegue deixar de sentir um arrepio na espinha cada vez que vê aquela mulher. Alta, pernas compridas e torneadas pelo ginásio diário que culminam num rabo perfeito. A cintura fina é salientada pelos seios firmes e nota que não traz soutien. A face é a dos anjos mas com a aura dos demónios, os olhos verdes penetrantes parecem despi-lo com os olhos. Rodrigo sente as mãos suadas quando diz "O que fazes aqui Diana? Por favor sai!" enquanto prepara a sua mesa de trabalho tentando manter as costas viradas para Diana. "Sabes perfeitamente o que quero. E sei também que me desejas. Porque lutas assim contra mim, ou melhor, contra ti?"
"Já te pedi para saíres..." sente um puxão na gravata e fica frente a frente com Diana. Ela envolve-o com uma das suas pernas, como se de uma serpente se tratasse. Ele não consegue contrariar o seu corpo, todo ele agora bem firme e tenso. Diana coloca a sua mão na braguilha de Rodrigo e escarnece "Tolo! Todo o teu corpo me quer" e baixa-se enquanto desaperta as calças dele. Rodrigo estremece.
"Rodrigo, Rodrigo, RODRIGO!!!" ele estremece e vê o seu velho amigo Ricardo "Que se passa pá??!?! Estás há horas a olhar para esse ecran!! Acorda meu!!! Chegas e nem dizes nada, as secretárias estão a comentar que estás estranho... "
"Viram alguém sair daqui agora mesmo?"
"Não, ninguém viu nada. Estás bem? Estás suado. Tens febre?"
"Nada disso pá!! Como é logo? A bola mantém-se?"
"Claro meu!! Aqueles cromos da contabilidade nem sabem a abada que vão levar!!!"
"Vá, tenho de trabalhar. Encontramo-no no balneário!"
"Porta-te bem pá!!! E já topaste a miúda nova, Diana?? É tão boa!!!!"

6 comentários:

Ana C. disse...

Sabes o que é que te digo? Esta é das dificeis de desembrulhar. É sonho, é realidade, é um bocadinho dos dois. É um GRANDE desafio mesmo.
Gostei do tom coloquial do teu texto, desenrolou-se muito bem. Estás a ficar um pró!

Miguel C. disse...

Obrigado Ana! Mas continuo sem saber no que isto vai dar!!! Ainda não conheço nem o Rodrigo, nem a Diana, nem a Helena e ainda não consegui estabelecer o teor da relação Diana/Rodrigo! Sei que o Rodrigo ama a Helena e não a quer magoar.

Ana C. disse...

Eu também estou à toa, até porque isto foi escrito num sopro, sem ter pensado em nada.
A Diana na minha cabeça foi uma paixão de juventude não correspondida. Mas não sei se ela é um sonho, ou não. Pelo menos a parte do duche deve ter sido...

Miguel C. disse...

Acho que esta Diana nos vai dar água pela barba...

Carla disse...

Não sei o que mais me faz sorrir, se o 'dramalhão' do Rodrigo se as vossas conversas à volta da blogonovela :)

Mas que imaginação! Isto a dois deve ser muito difícil, digo eu, que vos leio com gosto.

Vrumm...

AnaMoreira disse...

Eu concordo com o Miguel..com este início, esta Diana só pode dar muito pano para mangas, como se costuma dizer..