Há quem goste delas curtas, há quem as aprecie mais longas, mas para nós o tamanho não importa, uma história merece sempre ser contada.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Gina estava encostada à porta batendo displicentemente, com ar de quem não espera obter resposta. Olhava o relógio e pensava: "Com tanta coisa para fazer..."
Do outro lado, Laura estava sentada na beira da cama. Perna cruzada, a foto de Daniel perdeu entretanto o interesse. Observava as suas unhas e constatava que precisavam de um tratamento. Por quem esperam elas?
....
SIM!! Por Melissa.

10 comentários:

Melissinha disse...

hahahahahhah!
amanhã, Gina.

Kitty disse...

Agarrou no verniz da Risqué, e pintou, pintou, pintou, pintou..... as unhas das mãos.
E voltou a agarrar no verniz e pintou, pintou,pintou,pintou,pintou,pintou.......... as unhas do pés.

E a Mel que não chegava....

Nuvem disse...

bem... e depois de pintar as unhas das mãos e pés ensanguentados... pediu ajuda pois estava desinspirada para falar com a Constança e nunca mais saía dali...
e eu a pensar que ia ter leitura para as férias :(

Kitty disse...

... e Gina pensou "mas que carvalho!!" já pintei as unhas das mãos, já pintei as unhas dos pés...onde se terá metido também a Melissa?? Espereita pela brecha de Constança e repara que Melissa está de conversa fiada com esta...

De que falam elas(?), pensou Gina...

(vamos embora Nuvem, enquanto a Melissa não vem divagamos nós) AHAHAAHAHAHAH

Nuvem disse...

É verdade Kitty...
E eu sei, pelo que ela me contou, que a Gina estava furiosa com a Constança!!!
Não é que a Constança, que afinal era a Laura... lhe tinha pintado o rosário de cor-de-rosa e ela tinha sido chicoteada com ardor pelo padre daquele orfanato onde estavam as duas?
E que depois, não contente com isso ainda lhe mostrou "in loco" o que faziam ás pecadoras como ela quando andavam de mini-saia e com rosários cor-de-rosa choque (a cor do verniz com que a laura/Constança o tinha pintado)... e aqueles ardores, aqueles movimentos ritmados.... aquele suor com cheiro a carne de porco mal lavada... tudo isso tinha ficado na mente e no corpo de Gina.
E ela nunca poderia perdoar as risadas de Laura/Constança, que observara toda a cena e que no fim lhe dissera "Agora já não és mais a preferida de todos... és igual a nós... uma rameira que serve para satisfazer os homens que te quiserem usar".
Gina não poderia nunca esquecer o choque daquela situação, daquele abuso do padre, da situação em que aquela que ela considerara melhor amiga a colocara, e das mordazes palavras que proferira em vez de a consolar.
E por isso batia e batia naquela porta, esperando pela Melissinha que encarnara na Laura/Constança, que hoje em dia só se satisfazia com fotos e sonhos...

está bem assim Kitty? meninos?
estou de férias e o amor chama :)
ajuda na inspiração?

beijinhos

Kitty disse...

Gina tanto bateu e tanto pontapeou a porta, que esta se abriu(a porta) ao mesmo tempo que lhe salta uma Havaiana do pé.
Gina olha para Laura/Constança e pergunta-lhe "Olha lá minha mula, estás surda?". Constança não ouvia nada, Constança estava possuída em cima daquela cama, gemia e gritava por Gina "Come-me Gina!!".
Gina gelou, o seu corpo parecia um iceberg, mas ao mesmo tempo, ao ver Constança a grunhir naquela cama, sente um ardor que vinha desde a ponta do rosário até à ponta da trompa.
Gina salta para cima de Constança e diz-lhe "filha, lamento mas só vai dar para bater tachos"....
Constança abre a gaveta da mesa-de-cabeceira de madeira rústica, e diz a Gina “Pensas tu…” e coloca na mão de Gina aquele que iria ser o homem que ali faltava… era o pénis embalsamado do padre do orfanato.
E as duas saltavam e consolavam os corpos nus e ardentes naquele objecto duro e morto que outrora, ainda vivo, as comeu nas salas do orfanato.

Ana C. disse...

Olha para estas duas. Só agora é que vi que há uma novela paralela a decorrer nos comentários. AH AH AH AH AH

Nuvem disse...

LOL Ana

estavamos a ver se arranjavamos inspiração para a Melissinha continuar :)
Uma tentativa de podermose seguir com a nossa novela preferida ;)

Kitty disse...

No meio da loucura que estava a ser aquela aula de equitação, em que o pénis embalsamado do padre assumia a posição de cavalo, Constança relincha e Gina bate os cascos...
Força Gina, gritava Constança, bate os cascos com mais força ou então não é hoje que chegamos a casa da Melissa...

Mas que queres tu ir fazer a casa da Melissa, Constança?
Fiz uma promessa Gina, prometi que só parava de cavalgar no pénis embalsamado do padre quando a Melissa viesse escrever qualquer coisa…

Fosga-se, então toca a cavalgar o mais rápido que conseguires Constança, estamos aqui desde ontem , já me dói tudo, já tenho as polainas ao pé dos dentes e o toque enterrado até à cintura, e a Melissa não se vem…

E assim cavalgavam as duas desalmadamente em direcção a casa de Melissa…

E cavalgavam, cavalgavam, cavalgavam…..

Miguel disse...

olha, olha... gandas malucas voc^s me saíram!!!